Urbs inicia projeto-piloto para reduzir calor nas estações tubo

30-01-2014 11:08
 
 
A Urbs iniciou na manhã desta quarta-feira (29) a implantação de manta termoacústica na estação 
tubo Osternack, no Sítio Cercado. Nas primeiras horas da manhã, uma equipe de manutenção da Urbs 
trabalhou na demarcação de pontos e preparação do local que vai receber a manta.
 
A colocação será feita à noite, quando o número de passageiros é menor e também em função das altas 
temperaturas registradas ao longo do dia, o que dificulta o manuseio do material sobre as placas de 
aço que cobrem a estação. A previsão é que o trabalho esteja finalizado até sexta-feira de manhã.
 
A colocação da manta na estação Osternack faz parte de um projeto piloto que, se aprovado, será 
replicado em todas as 359 estações tubo da Rede Integrada de Transporte. O projeto começou a ser 
elaborado no ano passado, com a busca de materiais e tecnologia que permitisse melhorar a sensação 
térmica dentro das estações, tanto no inverno quanto no verão.
 
A licitação para compra do material foi aberta em novembro do ano passado.
 
A manta termoacústica impede a passagem do calor da cobertura para dentro da estação. Nos dias 
frios, também reduz a perda de calor interna.
 
Pela estação Osternack passam por dia, em média, 2,1 mil passageiros. É ponto final do Ligeirinho 
Bairro Novo e fica na rótula do cruzamento das ruas Eduardo Pinto da Rocha e Guaçui, próximo ao 
Residencial Parque Iguaçu.
 
A estação, que tinha uma área interna de dez metros quadrados, foi ampliada no ano passado para 40 
metros quadrados, ganhando tubos geminados - o que amplia o espaço de circulação – e área de 
desembarque fora do tubo para quem não vai esperar outro ônibus.
 
O Ligeirinho Bairro Novo é uma das 18 linhas diretas que faz a ligação de bairros com paradas em 
estações tubo a cada três quilômetros. A linha Bairro Novo atende, por dia, em torno de 15,5 mil 
passageiros e liga a Praça Rui Barbosa ao Sítio Cercado, passando pelos bairros Rebouças, Água 
Verde, Parolin, Hauer, Fanny, Xaxim e Capão Raso.
 
Mudança
 
Implantadas em 1991, quando a Rede Integrada de Transporte só atendia Curitiba – a integração 
metropolitana começou em 1996 – as estações tubo se consolidaram como um dos cartões postais mais 
procurados por turistas na cidade. Nestes 23 anos, houve aumento da demanda, a ampliação da Rede 
Integrada para mais 13 municípios e até mesmo alterações climáticas que mudaram a realidade nas 
estações tubo.
 
 
 
 
 
 
 
 
Vários projetos têm sido implementados para melhorar a sensação térmica dentro das estações. No ano 
passado foram testados os chamados sistemas evaporativos, uma espécie de exaustor para saída do ar 
quente o que se mostrou pouco eficaz em função da baixa altura das estações.
 
A situação é diferenciada nas estações da Linha Verde, que são climatizadas por um processo de 
condução do ar através de fosso de água, garantindo temperatura interna mais agradável, seja no 
verão ou no inverno. Esse processo é inviável nas demais estações da cidade que não foram 
projetadas com espaços para fosso e condutores.
 
Além da questão climática, a Urbs vem trabalhando na ampliação das estações tubo, como foi feito 
com a Estação Osternack, no ano passado. Estão prontos, por exemplo, projetos de ampliação da 
estação Bairro Novo, ponto inicial da linha que hoje fica na Rua Desembargador Westphalen. Essa 
estação será levada para dentro da Praça Rui Barbosa e terá seu tamanho triplicado. Também está 
pronto projeto para ampliação da estação tubo em frente à PUCPR. A estação Passeio Público foi 
ampliada de sete para 13 módulos e o mesmo vai acontecer com a estação Bento Viana que será 
recolocada no mês que vem.